quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Intimidade


Boa noite. Esta noite trago um poema de Miguel Torga. 



Meu coração tem quantos versos quer;
É só pulsá-los com medida e rumo.
É só erguer-se a pino a um céu qualquer,
E desse alado azul cair a prumo.

Logo se desvanece o negro encanto
Que os tinha ocultos no condão da bruma;
Logo o seu corpo esguio rasga o manto,
E mostra a humanidade que ressuma.

Mas quanto ele sangra para os orvalhar
De ternura, de sonho e de ilusão,
São outros versos... para segredar
A quem é seu irmão. 



- Miguel Torga in Diário (1943)


Beijos,
-F

Sem comentários:

Enviar um comentário